Beethoven

Facebook Twitter

Ludwig Van Beethoven

O grande nome da música ocidental na época da Independência brasileira era Ludwig van Beethoven. Entre 1822 e 1823, Beethoven dava forma final a uma de suas grandes obras, a 9ª Sinfonia, Coral, conhecida pela Ode à Alegria. Nessa época, a sua 5ª Sinfonia já era sucesso há anos – até hoje, é uma das músicas mais conhecidas do mundo.

Beethoven nasceu na Alemanha e era a 3ª geração de uma família de músicos. Fascinado pelos ideais do Iluminismo, foi definido pelo historiador Paul Johnson: “existia uma nova fé e Beethoven era o seu profeta”. Como profeta de um novo homem e artista, o músico era free-lancer, compondo para nobres e reis europeus que contratavam o seu serviço. Embora ele tenha sido quase surdo, a sua genialidade musical é irrefutável.

Desde 1793, Beethoven tentava musicar o poema An die Freude (“À Alegria”), uma ode escrita por seu amigo Friedrich Schiller. Em 1817, recebe a encomenda de uma sinfonia da Philharmonic Society of London (“Sociedade Filarmônica de Londres”), atual Royal Philharmonic Society (Real Sociedade Filarmônica), e trabalha de 1818 a 1819 na obra, mas não termina a sinfonia. Em 1822, consegue musicar o poema de Schiller e até 1823, exatamente o período da Independência da Bahia e do Brasil, Beethoven finaliza a 9ª Sinfonia, um marco da música ocidental. Pela primeira vez, um coral, a voz humana, tem papel importante numa sinfonia, e canta o amor, a alegria e a natureza. A 9ª Sinfonia estreou em 1824 e é um dos grandes clássicos da música até hoje. Música complexa e fácil de assoviar. É a preferida de Alex, o protagonista do filme Laranja Mecânica (A Clockwork Orange) de Stanley Kubrick. Quando a Comunidade Europeia, a terra dos compositores clássicos, precisou de um hino, a escolha foi a 9ª Sinfonia de Beethoven.

O crítico alemão Paul Bekker diz que “O resumo da obra de Beethoven é a liberdade, a liberdade política, a liberdade artística do indivíduo, sua liberdade de escolha, de credo e a liberdade individual em todos os aspectos da vida”. Enquanto Beethoven compunha um dos maiores clássicos de todos os tempos, na Bahia, Maria Quitéria, João das Bottas e o Corneteiro Lopes construíam a liberdade do Brasil. Em março de 1827, vinte mil pessoas acompanharam o enterro de Beethoven. O Brasil já era um país independente.

Esta entrada foi publicada em Artes e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>