Tupinambás

Facebook Twitter

A Rede Globo tornou famosa a história do português Diogo Álvares Correia, que naufragou na Bahia em 1509 e foi acolhido pelos tupinambás, através do filme Caramuru – A Invenção do Brasil (2000). O que muitos não sabem é que antes da chegada dos portugueses, a Bahia já era habitada há pelo menos mil anos.

Tupinambá usando o manto canibal

Voltemos dois mil anos no tempo: as tribos Tupis do Amazonas começam uma busca pela “Terra sem males”, tipo de paraíso onde ninguém fica doente e a comida brota do chão. Nessa missão, os tupinambás, de origem tupi, avançam para o litoral. Quando os portugueses chegam, há pelo menos três aldeias na Bahia: as atuais Salvador, Cachoeira e Itaparica.

Os tupinambás moram às margens dos rios, comem peixe, frutas e mandioca e são guerreiros temidos. Eles convivem com corsários alemães e franceses com quem trocam pau-brasil por facões, machados e espelhos, mas, em geral, eram inimigos dos portugueses. Desde o início da colonização os portugueses dividiram os indígenas brasileiros em dois grupos básicos: tupis, para os índios amistosos e tapuias para os índios hostis como os tupinambás.

Em 1531, os portugueses criam as capitanias hereditárias e tentam usar os índios como mão-de-obra nas plantações. Os índios, acostumados à fartura, não vêem sentido em acumular comida, e é então que os portugueses incentivam guerras entre tribos para comprar prisioneiros como escravos. Frequentemente vitoriosos, os tupinambás realizam rituais antropofágicos e comem a carne do guerreiro da tribo capturada, apropriando-se de sua coragem.

Portugal insiste em dominar os tupinambás, que, orgulhosos, preferem ser mortos a serem escravos – é o que acontece. Batalhas são travadas, e os portugueses vencem. Os índios morrem. As índias têm filhos com brancos e são ancestrais de boa parte de Salvador. Depois da derrota tupinambá, muitas tribos migram para o interior. Começa o “Sonho da Pacificação do Homem Branco”, que busca a formação de uma relação pacífica entre os índios e homens brancos. A tribo dos Xavantes se dedicam a esse sonho até hoje.

Manto tupinambá usado em cerimônias canibais

O filme “O Corneteiro Lopes” (2003), de Lázaro Faria, mostra a morte simbólica do último tupinambá, na guerra de Independência da Bahia. Os primeiros batalhões organizados para lutar pela Independência por Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque d’Ávila Pereira, o Santinho, contaram com a participação de índios tupis e tupinambás arregimentados das praias do litoral norte, como Maçarandupió e Soure.

Um manto de penas vermelhas usado por tupinambás em cerimônias canibais, recolhido por Maurício de Nassau em 1700, tornou-se motivo de disputa entre índios brasileiros e o Museu Real da Dinamarca. Os tupinambás são lembrados pelos índios como grandes guerreiros que nunca foram escravos.

 

 

Bibliografia:

BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. O feudo: a casa da torre de Garcia d’Ávila – da conquista dos sertões à independência do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

COSTA, Maria Cristina Castilho. Cultura, consumo e mídia. 2012. Acesso em: 15 jun. 2012. Disponível em: http://www.usp.br/nce/wcp/arq/textos/51.pdf

JECUPÉ, Kaka Werá. A Terra dos Mil Povos: História Indígena Brasileira contada por um índio. 4 ed. São Paulo: Peirópolis, 1998.

PINHO, Ana Luiza Araújo Caribé de Araújo.  Joaquim Pires de Carvalho e Alburquerque d’Ávila Pereira. 2011. Acesso em 15 jun. 2012. Disponível em:  http://www.bv2dejulho.ba.gov.br/portal/index.php/personagens/santinho.html

REIS, Laiz Amadeu. A arte plumária. 2011. Acesso em: 15 jun. 2012. Disponível em: http://artedosindios-laiz.blogspot.com.br/2011/06/arte-plumaria.html

TAVARES, Luis Henrique Dias. História da Bahia. 10. ed. Salvador: São Paulo: UNESP, Edufba, 2001.

______. Independência do Brasil na Bahia. Salvador: Edufba, 2005.

Esta entrada foi publicada em Contexto histórico e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Tupinambás

  1. Natalia Mioto disse:

    Valeu mesmo me ajudou muito no trabalho! ;)

  2. Francisco C. Martins disse:

    Leia também A Missão Ibiapapaba, do Padre Antônio Vieira em que ele descreve o verdadeiro massacre dos índios Tupinambá na Província de Pernambuco, mas principalmente na Serra da Ibiapaba e no sertão cearense.

  3. MARIANE CAVALHEIRO disse:

    Eu gostaria de saber se vc tem a legenda desta imagem?
    Referências ou livro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>